A morte do Sol

A morte do Sol

Com 4,6 bilhões de anos, o Sol é hoje uma estrela de meia-idade e sabemos que não deve durar para sempre.

Composto primariamente dos elementos químicos hidrogênio e hélio; estes compõem 74,9% e 23,8%, respectivamente, da massa do Sol na fotosfera.

Daqui a aproximadamente 5 bilhões de anos o sol vai ter esgotado boa parte do seu hidrogênio que fica no seu núcleo.

Quando isto ocorrer, o Sol entrará em contração devido à sua própria gravidade, elevando a temperatura do núcleo solar até 100 milhões de kelvins, suficiente para iniciar a fusão nuclear do hélio, produzindo carbono, entrando na fase do ramo gigante vermelha, ficando cem vezes maior do que é hoje.

Esse será um dia ruim para os planetas mais internos do sistema solar. Mercúrio, Vênus e possivelmente a Terra serão engolidos.

 

Referência :

Davson Filipe é Técnico em Eletrônica, WebDesigner e Editor do Realidade Simulada – Blog que ele próprio criou com propósito de divulgar ciência para o mundo. Fascinado pelas maravilhas do universo, sonha em um dia conhecer a Nasa.