Especial Zodíaco: a virgem justa

Na metade do caminho nos deparamos com a figura da virgem, um tanto emblemática e que gera muitas controvérsias entre estudiosos dessas mitologias.

É a segunda maior constelação em extensão do céu, sendo Hidra a maior. O que deixa Virgem como a maior das doze constelação zodiacais. Detém um dos dois pontos equinociais, ou seja, que marcam o momento em que o equador celestial intercepta a eclíptica. Contém onze objetos Messier e possui mais de 20 estrelas que são orbitadas por exoplanetas conhecidos. Sua estrela mais brilhante é Spica, Alfa de Virgem, e também há duas chuvas de meteoros associadas a esse grupo de estrelas, Virgínidas e Mu Virgínidas.

De acordo com um compêndio babilônico sobre astronomia e astrologia, o Mul.Apin, essa constelação representava a deusa Shala e sua orelha de grão, sendo esse o significado do nome Spica em Latim. O que leva a compreender o porquê dela ser relacionada à fertilidade.

Ela sempre foi descrita como uma mulher, embora assumisse diversos papéis diferentes, ela sempre significava a tensão entre a fertilidade e a beleza. Os gregos antigos representavam a deusa do trigo e da agricultura Deméter, sendo que isso permaneceu até o período clássico. Durante a Idade Média, fora associada a Virgem Maria.

A virgem:

Das figuras que rodam o mito de Virgem, é comumente Dice, a deusa da justiça, que está associada à constelação. Ela era filha de Zeus e da titã Têmis, geralmente era descrita como tendo asas angelicais com uma orelha de trigo em sua mão esquerda.

Ainda nesse conto, Dice haveria vivido durante a Era de Ouro da humanidade, marcada por paz e prosperidade. Ela teria nascido mortal e posta na terra para regular a justiça humana.

Quando Zeus completou a velha profecia e lançou-se contra seu pai, marcava o início da Era de Prata, que não seria tão prospera. O pai do Olimpo houvera introduzido as quatro estações e os humanos, desde então, não honravam os deuses como costumavam.

A deusa da justiça pronunciara para toda a humanidade, alertando a todos sobre o perigo de deixar para trás os ideais dos seus precussores como também dizendo que o pior ainda estava por vir. Então ela voara para as montanhas, virando as costas para a humanidade.

Quando as eras de Bronze e Ferro iniciaram, os homens começaram a brigar entre si. Dessa forma, a deusa Dice os deixara e seguira para o céu. A balança que frequentemente ela carregava haveria sido posta entre as estrelas junto com a donzela e marcaria, dessa forma, a constelação de Libra.

Post anterior: O Leão de Nemeia

Post seguinte: Libra e o peso de um mito

Fontes:

en.wikipedia

theoi.com

constellation-guide.com

Todas as imagens desta página foram utilizadas apenas para ilustrar o post, as mesmas pertencem ao(s) seu(s) legítimo(s) proprietário(s), por direito.

Davson Filipe é Técnico em Eletrônica, WebDesigner e Editor do Realidade Simulada – Blog que ele próprio criou com propósito de divulgar ciência para o mundo. Fascinado pelas maravilhas do universo, sonha em um dia conhecer a Nasa.