Mandrágora

Esse demônio é proveniente de uma versão adaptada  da erva mandrágora, que coleciona diversos usos ao longo da história, como também, era tida como planta mágica. Conhecida desde os tempos antigos por suas propriedades mágicas, a mandrágora é mencionada no Gênesis como um afrodisíaco, utilizado por Raquel no intuito de concedê-la um filho. Com o tempo, essa erva foi incorporada pelos alquimistas, e utilizada na fabricação de diversas porções mágicas.

Há várias superstições que cercam essa planta, da qual é dita que suas raízes assemelham-se a um corpo humano nu.  Uma parte delas suporta a ideia de que ela brotaria do sangue de um condenado, e cresceria aos pés das forcas. Outro conjunto de lendas trazem a ideia de que a criatura originaria do sêmen do indivíduo enforcado, que em seus últimos momentos o liberaria.

Era acreditado que tal criatura era capaz de reproduzir um grito atordoador capaz de deixar qualquer um inconsciente, e até matá-lo, quando retirada do solo. Na sua extração, cães eram frequentemente empregados. O dono do animal deveria amarrará-lo através de uma corda no vegetal, tapar bem os ouvidos e oferecê-lo um pedaço de carne. Nesse momento o cão, na tentativa de alcançar o alimento, puxaria a mandrágora e ela liberaria o grito, matando-o.

Referências:

http://symboldictionary.net/?p=1350

http://veja.abril.com.br/blog/jardineiro-casual/fatos-e-mitos-sobre-a-mandragora-planta-magica-de-hogwarts/

Todas as imagens desta página foram utilizadas apenas para ilustrar o post, as mesmas pertencem ao(s) seu(s) legítimo(s) proprietário(s), por direito.

Davson Filipe é Técnico em Eletrônica, WebDesigner e Editor do Realidade Simulada – Blog que ele próprio criou com propósito de divulgar ciência para o mundo. Fascinado pelas maravilhas do universo, sonha em um dia conhecer a Nasa.