Nova pesquisa sugere que não temos controle sobre nossos pensamentos

Nova pesquisa sugere que não temos controle sobre nossos pensamentos

Temos realmente livre-arbítrio?

Se você não estivesse consciente, você não estaria lendo este artigo. Ou, no mínimo, você não saberia que estava lendo este artigo. A consciência é responsável por todos os nossos pensamentos, experiências e sentimentos. Sem isso, não teríamos livre arbítrio, nem sentido de si mesmo, nem consciência de nossos arredores. Para citar Descartes, “Penso, logo existo”.

Mas e se essa suposição for errada?

E se eu lhe dissesse que o livre arbítrio e a responsabilidade pessoal são apenas construções sociais? Que nossa consciência não tem controle sobre nossas crenças, sentimentos, pensamentos e percepções do mundo?

Essa é a conclusão feita por dois cientistas, David Oakley, do University College London e Peter Halligan, da Universidade de Cardiff. Sua pesquisada, publicada em  Frontiers in Psychology, leva em consideração pesquisas sobre transtornos neuropsicológicos e neuropsiquiátricos e recentes estudos da neurociência cognitiva.

De acordo com Oakley e Halligan,

“Os conteúdos da consciência são gerados nos bastidores “por sistemas rápidos, eficientes e não conscientes em nossos cérebros. Tudo isso acontece sem qualquer interferência de nossa consciência pessoal, que se senta passivamente no assento do passageiro enquanto esses processos ocorrem.

“Simplificando, não escolhemos conscientemente nossos pensamentos ou nossos sentimentos – nos tornamos conscientes deles”.

Os dois cientistas usam a metáfora do biólogo Thomas Henry Huxley de um trem para esclarecer sua ideia. A relação entre a mente e o cérebro, dizem eles, é assim entre um apito de um trem a vapor e um motor. O apito de um trem a vapor atua em resposta ao trabalho do motor, mas não tem influência sobre ele. Da mesma forma, a consciência é o produto do cérebro. Não pode controlá-lo.

Qual é o consenso atual entre os especialistas?

É que a consciência pode ser dividida em dois elementos. O primeiro é um senso de consciência pessoal. A segunda é uma narrativa pessoal, isto é, a combinação de pensamentos, crenças, emoções, memórias e sensações com as quais somos bombardeados constantemente. Oakley e Halligan argumentam que esta narrativa pessoal é uma fração das emoções, experiências, pensamentos e crenças produzidas no cérebro durante processos não conscientes.

Há também a questão do livre arbítrio. Sem uma consciência ativa, podemos ser responsabilizados pessoalmente por nossas ações?

Sim, responde Oakley e Halligan.

“Só porque a consciência foi colocada no banco do passageiro, não significa que precisamos dispensar as noções cotidianas importantes, como livre arbítrio e responsabilidade pessoal”.

“Na verdade, eles estão incorporados no funcionamento de nossos sistemas cerebrais não conscientes. Eles têm um propósito poderoso na sociedade e têm um profundo impacto na maneira como nos entendemos”.

[IFSCIENCE]

Veja também :

Pesquisadores identificam pássaros em processo de evolução para gerar nova espécie

Será que a realidade é somente uma simulação?

Davson Filipe é Técnico em Eletrônica, WebDesigner e Editor do Realidade Simulada – Blog que ele próprio criou com propósito de divulgar ciência para o mundo. Fascinado pelas maravilhas do universo, sonha em um dia conhecer a Nasa.