Planetas habitáveis e onde habitam

Não querendo desfazer dos outros planetas, mas o planeta Terra é incrível. Cachoeiras, rios, mares. Animais de todas formas e tamanho.

Lindos pastos verdes que recebem os raios do sol suprem animais que passam adiante a energia provida de nossa estrela.

Mas até quando?  Cientistas de renome como Stephen Hawking e Elon Musk sabem da necessidade da busca de um novo planeta habitável.

O que determina se um planeta é habitável ou não?

Primeiro, o básico do básico

São sete os critérios para se estabelecer se um planeta é ou não habitável. Um dos mais famosos critérios é o Índice de similaridade com a terra (ESI), uma escala de 0 a 1, sendo 1 o mais semelhante à Terra.

E essa similaridade depende do diâmetro, densidade, velocidade de escape (velocidade necessária para que um corpo se liberte de um campo gravitacional), e temperatura da superfície do planeta.


A Classe planetária (pClass)
 determina se um planeta é habitável a partir de sua zona térmica (quente, ameno ou frio, onde é ameno na zona habitável) e também de sua massa.E a Classe habitável (hClass) tem como base para analise a temperatura.

Nós precisamos de vegetais para viver, por mais carnívoro que você seja, precisamos de uma refeição colorida para vivermos de maneira saudável.

E existe um critério para a classificação fator muito importante é a capacidade de se ter vegetação e é medido por um critério chamado Habitabilidade primária padrão (SPH) que também varia entre 0 e 1.

Nessa escala são levadas em consideração a temperatura da superfície e umidade, porém essa ultima apenas se for conhecida.

Colocando ordem nas Zonas

Nosso planeta é rico em minérios e também é um fator importante para o desenvolvimento  e manutenção da vida.

Esse critério é chamado de Composição da Zona Habitável (HZC) é Medida de composição em massa, os valores próximos de zero são misturas prováveis.

Valores abaixo de -1 representam corpos provavelmente composto principalmente de ferro, e valores superiores a um representam corpos provavelmente compostos principalmente de gás.

Não existiríamos se não fosse pela água e ela só existe porque habitamos uma zona habitável (além de outro fatores) e não poderia deixar de entrar na lista.

Distância da Zona Habitável (HZD) trata da distância do centro da estrela de Zona de Goldilocks (região do espaço ao redor de uma estrela onde o nível de radiação emitida pela mesma permitiria a existência de água líquida na superfície).

A Zona Habitável é uma área do espaço crucial e determinante para a vida se desenvolver.

O intervalo para representar esse critério vai de 0 a 1, 0 representa o bordo interior da zona, e 1 representa o bordo exterior. 

A atmosfera de um planeta é de extrema importância para que a vida possa se estabelecer e também é analisada e o critério leva o nome de Atmosfera da Zona Habitável (HZA), que é capacidade do planeta para manter um ambiente habitável.

São dados valorres no intervalo de -1 a 1, onde  abaixo de -1 são os corpos com pouca ou nenhuma atmosfera, e valores acima de 1 são os corpos com atmosferas de hidrogênio grossas.

Quando poderemos fazer as malas?

Segundo o engenheiro holandês da ESA, Dietrich Vennemann, uma missão tripulada a Marte deve levar cerca de 350 dias. e marte está a 55 milhões de quilômetros de distância da terra.

Colocando essa distância em anos-luz temos 5,20344E-4 (0,000520344) anos-luz ou seja bem menos do que um ano-luz.

Agora peguemos um dos planetas habitáveis mais próximo da Terra, o batizado Proxima b.

    Tamanho da Terra comparado ao Planeta b (creditos: PHL/UPR Arecibo/NASA EPIC Team).

Este planeta “habita” a 4,2 anos-luz do nosso planeta, 8 mil vezes mais distante do que nosso vizinho Marte. Ou seja, levaríamos 7740 anos para chegarmos a esse novo lar, considerando que a nave pudesse suportar todas variáveis que viriam a aparecer, manter a velocidade e os passageiros vivos e saudáveis.

Então ainda levaremos alguns anos para poder conseguir a tecnologia para nos levar até lá num tempo razoável, infelizmente os planetas habitáveis habitam a distancias maiores que nossa atual capacidade de viagem.

Quem tem boca vai a Proxima B, ou seria quem tem dinheiro?

Existe um empresário russo chamado Yuri Milner, investidor em capital de risco com graduação em física, que quer chegar a Proxima B.

Pode parecer loucura uma pessoa querer cumprir essa meta, mas até mesmo Stephen Hawking apoiou a causa desse engenheiro. De fato Hawnking apoia a busca por novos planetas.

O Breakthrough Starshot  prevê o uso de pequenas naves (menores que um iPhone). Essas mini-naves serão impulsionadas pelos fótons de um potente raio laser para viajar a 20% da velocidade da luz. Alcançando esse possível novo lar em 20 anos, podendo nos enviar fotos do ambiente.

Referencias:

  1. http://phl.upr.edu/library/notes/thenewpotentialhabitableexoplanetscandidatesofnasakepler
  2. Mundo Estranho
  3. Revista Galileu
  4. – Fundamentos de Física: Gravitação, Ondas e Termodinâmica – Vol. 2 – David Halliday, Robert Resnick, Jearl Walker

Você também pode achar interessante:

Sonda Voyager 1 religa Seus Motores Depois de 37 Anos

Você já ouviu falar no Cometa Halley?

Estudante de Engenharia Eletrônica (UFPE), técnico em suporte e manutenção de Informática e Editor do Realidade Simulada. Tendo um grande interesse pela ciência e as coisas que a cercam busca sempre aprender mais a cada dia e passar esse conhecimento a frente.